Notícias

Terezinha Signorini participa de 1º Simpósio das Promotorias de Justiça Especializadas em Fundações e Entidades de Interesse Social

Evento ocorreu no Maranhão

05/05/2018 18:05


A associada Terezinha de Jesus de Souza Signorini, procuradora de Justiça, participou no dia 04 de maio do 1º Simpósio das Promotorias de Justiça Especializadas em Fundações e Entidades de Interesse Social.  O evento com o tema “O Ministério Público e as Entidades do Terceiro Setor” ocorreu no auditório da Procuradoria Geral de Justiça do Maranhão.

O simpósio contou com a presença de procuradores e promotores de Justiça e representantes de órgãos públicos e das entidades do Terceiro Setor. A associada da APMP destacou a participação dos membros dessas entidades, uma vez que, para ela, tais organizações são hoje absolutamente indispensáveis para a realização dos objetivos fundamentais do Estado Democrático de Direito.

Terezinha contou à APMP um pouco sobre o evento: “Além de palestras que trataram do papel do terceiro setor e da importância de uma relação transparente com a sociedade e o Ministério Público, promoveu-se uma oficina sobre aspectos contábeis da gestão das entidades, um componente muito relevante para o alcance da transparência. Também foi realizada uma reunião da Associação Nacional dos Procuradores e Promotores de Justiça de Fundações e Entidades de Interesse Social-PROFIS, a fim de debatermos conjuntamente as diretrizes do relacionamento entre o MP e o terceiro setor. Ainda, ocorreram apresentações artísticas protagonizadas por entidades promotoras da cultura”.

Para a associada, as palestras foram muito produtivas para todos os participantes, membros do MP e público externo. “As entidades de interesse social compareceram em peso e pareciam ávidas por informações a respeito da maneira como devem conduzir suas atividades; da posição do Ministério Público acerca de temas controvertidos; e também das oportunidades de crescimento mediante o desenvolvimento de projetos”, afirmou. Terezinha complementou, “Os membros do MP, por sua vez, puderam conhecer um pouco mais do trabalho realizado por essas entidades e aprimorar reflexões acerca dos temas que foram tratados”.

A procuradora de Justiça compartilhou com a APMP que foi significativa a participação de mulheres no evento: “O auditório, lotado, estava repleto de mulheres atuantes nas entidades sociais e no Ministério Público. Devo destacar que a 1ª e 2ª Promotorias de Justiça Especializadas em Fundações e Entidades de Interesse Social de São Luís têm como titulares, respectivamente, as promotoras de Justiça Doracy Moreira Reis Santos e Fernanda Maria Gonçalves de Carvalho. Pude constatar a competência dessas profissionais e sua dedicação para uma atuação colaborativa entre o MP e o terceiro setor”.

Ainda, Terezinha dividiu que ficou encantada com a proatividade e o nível de inserção que referidas Promotorias especializadas de São Luís têm em relação às entidades que estão sob seu acompanhamento. “As Promotoras de Justiça não apenas recebem os representantes das entidades em seus gabinetes, mas também vão ao encontro deles, participam de suas reuniões e se dispõem a prestar todo o auxílio que lhes seja possível. Isso tem permitido o cultivo de uma relação autêntica com as entidades e uma troca de saberes muito virtuosa para a sociedade. O exemplo dessas admiráveis mulheres me inspira a incentivar os Promotores de Justiça do Estado do Paraná para que cultivem esses relacionamentos simbióticos e genuínos, ou seja, verdadeiramente motivados pela concretização de interesses sociais”.

Por fim, mesmo ficando um curto período na cidade, a promotora falou sobre o que conseguiu ver da cultura local. “Do curto roteiro que fiz, pude apreciar a beleza do centro histórico, com seus casarões de fachadas azulejadas, e também as feiras artesanais onde se encontram artigos confeccionados com capim-dourado e outros materiais abundantes na região”. “O que despertou minha atenção, sobretudo, foi o espírito acolhedor e solidário do povo maranhense. Apesar das dificuldades enfrentadas devido às omissões do Poder Público, as pessoas estão unidas pelo propósito de garantir melhores condições de vida”, concluiu.








Leia Também